• Wellas

A gente se esconde do mundo, mas não se esconde da gente.

Atualizado: Set 28

É, não tem como fugir. É ali no travesseiro que as nossas maiores inseguranças ganham protagonismo. Aquele nosso "eu" absoluto deixa de existir, afinal, quando não tem ninguém olhando, por que se manter forte?

A gente passa o dia todo sorrindo, às vezes aquele sorriso amarelo, esforçado, para manter uma pose, uma segurança, quantas pessoas declaradamente e em segredo se espelham na gente, nessa força, nessa voz que a gente finge a todo momento ter.


Às vezes somente para impressionar o outro, a gente cria um personagem "fodão" e daí a gente começa a exigir tanto da gente, uma auto cobrança desnecessária, pois a gente sabe que ninguém é forte o tempo todo, perfeito o tempo todo, sensato o tempo todo, então por que a gente insiste tanto em ser?


" A gente coloca na nossa cabeça que não pode errar, não pode fraquejar, não pode desistir, não pode falar alto, não pode falar palavrão, putz! melhor nunca falar de politica, nem de religião, nem de futebol, nem de polêmicas, nem a minha verdadeira opinião, melhor nunca ser eu..."

E pronto, sobra pro nosso travesseiro secar as nossas lágrimas, quando por algum deslize a gente não consegue manter o ser inalcançável que a gente mesmo criou.


A gente vive uma cobrança por uma "sensatez" na TV, na internet, afinal é onde temos os juízes que definem o que é sensato e o que é pra ser cancelado.


Errar sempre foi tão da natureza humana, por que vivemos em uma época que ninguém pode errar sem que seja crucificado?


A gente pode até se esconder do mundo, mas a gente não se esconde da gente, e os momentos mais lindos que temos são justamente aqueles em que estamos mais vulneráveis no nosso travesseiro, pois é onde conseguimos ser nós mesmo, sem medo, sem cobrança, sem plateia.


Pro mal ou pro bem, você pode até fugir do mundo, mas a maior briga sempre vai ser a interna, quando tá só você e seu verdadeiro eu.


#Wellas

COMPARTILHE SUA OPINIÃO

COPYRIGHT © 2016 / 2020  • CRIADO POR WELLAS DINIZ   • TODOS OS DIREITOS RESERVADOS